fbpx

Uma gestão que se preze requer planejamento a longo prazo, muito trabalho, eficácia e, ainda, fiscalização e controle dos gastos. Alguns governos optaram pela forma simplista do descaso ou a forma hedionda da corrupção, que desvia dinheiro da saúde, neglicenciado a doença e a vida das pessoas.

Por: Renata Vilhena Silva

Mais uma vez a ineficiência da Agência Nacional de Saúde Suplementar, ANS, instala o caos no cenário da saúde, que parece terra de ninguém com a explosão de aumentos abusivos do planos coletivos, que representam 77%  dos 48 milhões de usuários.

Por: Renata Vilhena Silva

Se determinada cirurgia ou procedimento médico é coberto pelo plano de saúde e, se para o sucesso deste tratamento, faz-se necessário o uso de uma órtese ou de uma prótese, sua exclusão é abusiva em sua gênese, pois impede que o contrato atinja seu próprio objeto.

Por: Rafael Robba

A Lei dos Planos de Saúde (Lei n.º 9.656/98), em seu art. 31, garante aos ex-empregados aposentados, que contribuírem por mais de 10 (dez) anos para o custeio do plano de saúde de sua ex-empregadora, o direito de permanecerem como beneficiários vitalícios, desde que assumam o pagamento integral da mensalidade.

Por: Marcos Paulo Falcone Patullo

Lutemos para que a justiça seja feita e para que possamos ser mais felizes, mas antes de tudo, lutemos para que o Brasil tenha um modelo de política e gestão diferente do que tem hoje. Não há país no mundo com 39 ministérios e onde o prestador de um serviço de saúde ocupe uma pasta que precisa defender o consumidor.

Por: Renata Vilhena Silva

WhatsApp chat